Sobrenatural Brasil
Gostaria de reagir a esta mensagem? Crie uma conta em poucos cliques ou inicie sessão para continuar.

O Fenómeno das Abduções - Parte 2

Ir em baixo

default O Fenómeno das Abduções - Parte 2

Mensagem por † Lobo † em Ter 19 Mar 2013 - 16:29

6.3.2. Implantes Humanos:



Outra vertente dos implantes são os denominados implantes humanos. Implantes supostamente inseridos em pessoas por agências governamentais obscuras, ao abrigo de projectos secretos, com propósitos incertos. Não cabe nesta exposição analisar detalhadamente esta vertente, pelo que referirei brevemente as conclusões interessantes do investigador português José Garrido e para onde remeto a leitura deste assunto[43].



- Descrição



Diferentemente dos implantes não-humanos, estes são de tipo microchip, com 2 a 3 mm de diâmetro e de formato cilíndrico. São colocados geralmente sob a pele e controlados por satélite.



- Função:



Controlo de populações e identificação em tempo real da localização de todas as pessoas.



7. Prevenção e Antecipação de Abduções



Como veremos mais adiante quando analisarmos os propósitos das abduções, verificaremos que a abdução é, pelo menos num estado inicial, uma experiência traumática. Não só produz consequências negativas no corpo humano, como disfunções urológicas ou ginecológicas, como produz graves traumas psicológicos. Não frequente os abduzidos recorrem ao álcool ou ás drogas, para combaterem a sensação de não controlarem as suas vidas e de a qualquer momento poderem ser retiradas do conforto das suas casas, das suas famílias e serem expostas a procedimentos dolorosos e algumas vezes humilhantes. E pior, o sentimento de um pai ou mãe de não conseguir proteger os seus filhos destas agressões e intrusões.



Deste modo, muitas vezes por iniciativa própria mas também por aconselhamento dos especialistas, os abduzidos tentam parar/evitar as abduções, ou pelo menos, tentam diminuir a frequência das mesmas. São conhecidos casos em que os abduzidos antes de se deitarem, escondem uma máquina de filmar, constantemente a apontar para eles, na esperança de apanhar algo e de finalmente lhes dar uma certeza sobre o que se está a passar. Infelizmente, as máquinas de filmar deixam de filmar, desligando-se sozinhas, ou são desligadas pela própria pessoa (sem esta o saber) ou, frequentemente, as abduções realizam-se depois da cassete da máquina acabar ou a sua bateria. Estas tentativas demonstram ter uma eficácia quase nula. Por seu turno Nick Pope afirma que estas tentativas de acabar com as abduções se dão mais por desejo dos investigadores do que dos abduzidos, baseado nas evidências, não posso todavia concordar.



Por outro lado, Nick Pope tem uma curiosa ideia, especula que se as abduções são um processo continuado, acontecendo sucessivamente a uma mesma pessoa ao longo da sua vida, então é possível anteciparmo-nos e tornarmo-nos os “caçadores”. A sua ideia é de tornar o habitat do abduzido o mais controlado possível, recorrendo a equipamento de vigilância. Afirma que se as abduções ocorrem no plano físico, então um vídeo poderá ser feito e comprovar a realidade do mesmo. Todavia como a experiência demonstra, e tal como na prevenção, normalmente os abduzidos desligam os vídeos não voluntariamente, como se controlados por alguma força exterior, pelo que até hoje não funcionou. Propõe uma vigilância independente sem o conhecimento do abduzido. É claro que está consciente que esta acção viola a privacidade da pessoa, nomeadamente o direito à reserva sobre a intimidade da vida privada, estatuída no artigo 80º do Código Civil Português, mas contrapõe dizendo que a abdução, como processo intrusivo é uma violação ainda pior, nomeadamente da tutela geral da personalidade, prevista no nº1, do artigo 70º do CC Português, pelo que é um preço a pagar. É um argumento a considerar, mas só se tal for efectuado por um organismo com autorização legal para tal, como acontece com a polícia, os investigadores ou ovnilogistas civis estão obviamente expressamente proibidos de realizar a vigilância sem autorização, incorrendo em crime.



Luís Aparício no seu texto sobre abduções, refere que sendo impossível impedir uma abdução, recomenda que o melhor é “levar a abdução numa desportiva”. Não posso concordar com este ponto de vista, que me parece perigoso. Qualquer que seja o propósito dos abdutores, não me parece que tenham qualquer direito a efectuarem o que quer que seja, sem o nosso consentimento, conduta que já verificámos ser crime. Não posso deixar de salientar que os direitos à reserva da intimidade da vida privada e da tutela dos direitos de personalidade são direitos absolutos e que merecem a maior tutela possível. A sujeição a procedimentos dolorosos e humilhantes não pode ser admitido sob qualquer pretexto, e há que reagir. E obviamente, é contra-producente aceitarmos “na desportiva” sermos sujeitos de um procedimento sob o qual nada sabemos e nada nos é dito. O melhor mesmo será procurar ajuda de profissionais e conjuntamente, tentar diminuir os efeitos traumáticos, já que por enquanto, impedir as abduções parece impraticável.

8. Natureza do Fenómeno:



Depois de analisada a fenomenologia do fenómeno, isto é, em que consistem as abduções e quais as suas características principais, cabe nesta altura analisar finalmente as principais teorias apresentadas para explicarem cabalmente o fenómeno. Se é certo que a grande maioria dos ovnilogistas, onde me incluo, pende tendencialmente para a aceitação duma natureza extraterrestre, ou seja, para a aceitação dos acontecimentos tal qual são descritos pelas testemunhas, não seria justo nem metodologicamente correcto, não analisar as explicações alternativas e imparcialmente examinar a sua explicação e logicamente, a sua adequação à realidade apresentada.



Seguem-se algumas das teorias mais famosas:



8.1. Trauma do Parto



Esta teoria apresentada pela primeira vez em 1977 por Alvin H. Lawson, professor universitário de literatura inglesa e pelo médico William MacCall, postula que as abduções não são mais do que meros resultados do denominado Trauma do Parto.



Para tal basearam-se nos resultados duma experiência que realizaram, determinada a averiguar se indivíduos “normais” com apenas uma vaga informação sobre abduções, seria capaz de através da hipnose inventar uma história complexa de abdução. O intuito da experiência seria a de verificar se haviam diferenças de fundo entre uma abdução inventada e uma suposta abdução verdadeira. Verificou-se que no seu essencial as histórias eram semelhantes e que os sujeitos eram capazes de improvisar respostas, mesmo quando confrontados com perguntas sobre os detalhes dos procedimentos das abduções ou do aspecto dos locais. Esta experiência demonstrou não só que a hipnose não previne a confabulação (deliberada ou não), como é possível utilizando apenas a imaginação, criar um relato de abdução credível.



Apesar das suas conclusões iniciais, admitiram em Agosto de 1978, numa versão revista da sua teoria, a existência de algumas diferenças entre as abduções “imaginárias” e as “reais”, nomeadamente que nestas parecem haver certos efeitos psicológicos e físicos nos sujeitos que não ocorrem naquelas, o que levou à conclusão de que as abduções “reais” são separadas e distintas de experiências “imaginárias” ou “alucinatórias”. Contudo, como correctamente afirmou Lawson, a experiência demonstrou igualmente que ao contrário do que alguns ovnilogistas pensavam, nomeadamente Harder e Leo Sprinkle, é possível para uma pessoa mentir ou acreditar nas suas mentiras durante a hipnose, não sendo a hipnose regressiva um método infalível de apuramento da verdade factual.



Tendo observado que quer os “verdadeiros” quer os “falsos” abduzidos produziam histórias semelhantes e recusando que tal se devesse meramente a um conhecimento através dos meios de comunicação de histórias de abduções[44], tentaram então encontrar um denominador comum aos dois grupos que fornecesse ao mesmo tempo, semelhanças com as descrições das abduções. Chegaram à conclusão de que os dois grupos se encontravam ligados por uma experiência comum a todos nós, a experiência do parto.



Numa interessante abordagem, perguntaram-se os dois investigadores, se a descrição frequentemente dada do local das abduções, como sendo uma sala sem ângulos rectos, ou, também descrita como redonda, não poderia ser uma alusão à memória distorcida do útero feminino? De facto, a frequente descrição dos próprios “abdutores” parece também adequar-se a uma recordação distorcida do período intra-uterino. Não se parecem os “cinzentos”, principalmente nas suas características principais, grandes olhos negros com cabeça desproporcional ao corpo, com os fetos humanos?! Por seu turno, postularam os investigadores, não seria possível que as intervenções médicas, parte integral destas experiências e abundantemente descritas, fossem antes recordações do próprio parto? E que dizer das alusões a um ambiente rodeado de luz branca, tão reminiscente da sala dum hospital?![45]



Os psicólogos consideram hoje em dia que o trauma inicial do parto é uma das experiências mais profundas e significativas das nossas vidas, uma que é largamente responsável pela formação da nossa própria psyche. Não será possível que este trauma ressurja de tempos a tempos, ainda que numa forma disfarçada?



Esta teoria tem a vantagem de ser uma das primeiras a tentar explicar cientificamente o fenómeno das abduções. E apresenta certamente certas semelhanças inegáveis entre as abduções e o próprio nascimento humano, contudo não parece resistir ás criticas que lhe são passíveis de serem feitas. Criticas aliás reconhecidas pelos próprios proponentes desta teoria, nomeadamente a de que se o nascimento é comum a todos nós, porque é que apenas uma pequena percentagem da população a relembra como abdução? E porque não existem casos mais antigos, anteriores à Era Moderna da Ovnilogia, em que a descrição se não feita nos mesmos termos, se refere a seres com a aparência actualmente descrita?! E claro, esta teoria não explica as evidências físicas nas testemunhas, como cicatrizes, feridas e a própria ausência física do local onde se encontravam anteriormente.



8.2. Sindroma da Falsa Memória



Do estudo da mente humana os cientistas descobriram que a mente não recorda os acontecimentos tal qual como eles se passaram. Até mesmo acontecimentos que temos a certeza que ocorreram podem afinal, não ter ocorrido como nos lembramos. É nisto que consiste o Sindroma da Falsa Memória. Aplicando este conceito ás abduções, refere-se obviamente a lembranças recolhidas através da regressão hipnótica, que de incertezas passam a certezas, especialmente quando repetidas inúmeras vezes ou consagradas pelo hipnotizador. Desde modo é plausível que conhecimentos sobre abduções, juntamente com confabulação (não intencional) e o sindroma da falsa memória podem produzir relatos de abduções credíveis.



De facto numa experiência realizada pelo psicólogo Robert Baker, demonstrou-se que é possível implantar memórias falsas numa pessoa utilizando a hipnose. Nesta experiência conseguiu implementar a crença de que as pessoas se tinham perdido em criança num centro comercial, evento que tinha sido confirmado como nunca tendo ocorrido. E no entanto, os sujeitos da experiência acreditavam plenamente que tal tinha de facto acontecido. Ora isto demonstra, ainda que não intencionalmente, que é possível ao hipnotizador implantar memórias ou levar a uma distorção daquilo que de facto ocorreu. Todavia nesta experiência descobriu-se que era mais difícil ou mesmo impossível implantar falsas memórias insólitas. Tentou-se a um grupo de pessoas implantar a ideia de que tinham feito um clíster e nenhuma confirmou a história.



Esta teoria tem o mérito de demonstrar que é possível a hipnose influenciar e “contaminar” o processo de relembrar das abduções. Demonstra contudo que implantar memórias insólitas é algo muito difícil, como não explica os casos de pessoas que se lembram de terem sido abduzidas, sem ser necessária a regressão hipnótica, segundo Derrel Sims o número de pessoas que se recorda utilizando a memória natural é de 10% dos abduzidos. Por último falha ainda a explicação do desaparecimento factual das pessoas, assim como das evidências físicas já analisados.



8.3. Imagens Hipnagógicas ou Hipnopompicas



As imagens hipnagógicas e as imagens hipnopompicas são as imagens que temos no estado alterado de consciência, quando estamos prestes a adormecer ou quando acordamos. Em 1996 o jornal de psiquiatria britânico “British Journal of Psychiatry”, relatou os resultados de um estudo efectuado a 5000 pessoas, em que se descobriu que 37% das mesmas experimentou alucinações hipnagogicas numa base regular. E que 12,5% experimentava alucinações hipnopompicas. Descobriu-se ainda que os três tipos principais de alucinações consistiam em:



-sensação de estar a cair,

-sensação de voar,

-sensação de alguém mais estar no quarto.



São curiosas as duas últimas alucinações relatadas, assim como o facto de se darem no quarto, pois apresentam algumas semelhanças com episódios relatados nas abduções. Contudo não manifestam alucinações mais complexas como procedimentos médicos, as descrições das naves, dos instrumentos, dos próprios abdutores e mais uma vez falha em explicar a componente física do fenómeno, assim como os imensos traumas psicológicos e físicos que os abduzidos sofrem.



8.4. Disfunção do Lóbulo Temporal



Esta teoria para explicar o fenómeno tornou-se conhecida quando em 1994, a Psicóloga e Professora Susan Blackmore experimentou para o programa de televisão da BBC “Horizon”, um capacete criado pelo Prof. Michael Persinger, que conseguia criar através de estímulos os mesmos efeitos de uma disfunção do lóbulo temporal. Estes efeitos consistem em: impressão de uma estranha presença, sensação de ascender no ar, sensação de pânico; sentimentos relatados também frequentemente pelos abduzidos. De facto no laboratório, Susan Blackmore teve sensações espontâneas de raiva e medo, assim como uma sensação de puxar. Contudo, na minha opinião, esta teoria falha igualmente, pelos mesmos motivos enunciados para a teoria anterior.



8.5. Paralisia do Sono



Todas as noites sofremos o que se chama de Paralisia do Sono, que consiste basicamente no mecanismo natural do corpo em refrear os movimentos enquanto dormimos. É este mecanismo que nos impede de nos magoarmos a sério, enquanto temos os sonhos mais vívidos. De facto, quando este mecanismo falha, temos os conhecidos casos de sonambulismo.



Contudo é numa outra situação de falha deste mecanismo, muito mais rara de acontecer, que devemos centrar as nossas atenções. Por vezes as pessoas acordam para verificarem que o seu corpo não se pode mexer. De facto, o cérebro está activo, mas o corpo ainda dorme e não responde aos estímulos por aquele enviado. Esta situação é por vezes acompanhada da impressão de uma força situada na zona do peito, que o pressiona. Foi esta situação que originou na Idade Média os mitos do incubus e do sucubus, entidades sobrenaturais que mantinham relações sexuais com os humanos, com o âmbito de procriarem crianças demoníacas. Notamos uma forte semelhança com a abdução!!! Não será o fenómeno das abduções, a interpretação sociológica actual da paralisia do sono? Assim como os demónios serviam para explicar a paralisia na Idade Média?! É sem dúvida uma teoria interessante e na minha opinião, uma que oferece maior consistência na tentativa de explicar as abduções. Falha contudo, novamente, na explicação das manifestações físicas do fenómeno, assim como, devido à sua raridade, não consegue explicar o grau elevado de abduções que parece ocorrer num dado individuo.



8.6. Abuso Sexual em Criança



Numa altura em que este problema adquire maior notoriedade e preocupação em Portugal, importa referir que o abuso sexual de crianças, pode, segundo alguns autores criar o fenómeno de abduções. Alegam os autores que um tal trauma (dos piores que podem ser cometidos) cria grandes cicatrizes nas crianças e que são conhecidos casos em que o cérebro, numa atitude de censura e absorção do choque reprime estas memórias. Todavia tal repressão não é total, sendo que as memórias encontram-se armazenadas no sub-consciente, e é neste ponto delicado que alguns autores admitem que estas possam aparecer numa outra forma, mais suavizada, na forma de uma abdução extraterrestre.



Todavia na prática esta teoria tem se demonstrado falível, nunca se demonstrou que a memória reprimida pudesse surgir nesta forma, nem que um “abduzido” tivesse sido molestado em criança. Aliás, notam os ovnilogistas, que o contrário já é frequente de acontecer. Muitas vezes uma pessoa pensa ter sido molestada em criança e descobre através da hipnose ter sido abduzida.



Em última análise, e concretamente em Portugal, veremos se algumas das crianças abusadas da Casa Pia, afirmará no futuro, ter sido abduzida por extraterrestres.



8.7. Abduções Militares



Esta teoria foi já levemente abordada aquando da análise do problema do implantes. Defendem alguns investigadores que as abduções extraterrestres não são nada mais, nada menos, que memórias implantadas por psiquiatras do estado (norte-americano) nas pessoas que são raptadas em programas secretos das agências governamentais. Estas memórias visam ocultar os verdadeiros procedimentos, assim como desacreditar qualquer investigador que ao tentar acusar o governo, rapidamente se viria envolvido com histórias de extraterrestres a raptarem pessoas para as suas naves.



Se é certo que certos projectos que envolviam a captura de cidadãos inocentes foram realizados pelo governo norte-americano, como admitido no projecto MK-Ultra, militam contra esta teoria, a natureza global do fenómeno e a descoberta de implantes em locais impossíveis de alcançar de acordo com a nossa tecnologia médica actual.



8.8 Posição adoptada:



Alguns investigadores afirmam que muito provavelmente não haverá uma só explicação para as abduções, experiências haverão que têm origem em causas mais prosaicas, ataques epilépticos ou outras perturbações do foro psicológico, imaginação fértil, confabulações, etc. Admitem alguns, experiências de abduções que apresentam uma conjugação destes factores.



É perfeitamente admissível que a natureza do fenómeno não seja uma realidade extraterrestre. É possível igualmente que esta resida numa causa natural, ainda não perfeitamente analisada. Contudo julgo ser por demais evidente que o fenómeno apresenta características únicas e não catalogadas em nenhum distúrbio psicológico ou mental. Não se podem ignorar igualmente as manifestações físicas do fenómeno, pelo que qualquer explicação terá forçosamente de ser exterior à própria pessoa.



Concordando com a posição de Nick Pope e de Lynn Picknett, julgo que se deverá utilizar o princípio da “lâmina de Occam” que consiste em afirmar que a explicação mais simples é frequentemente a verdadeira. E na minha opinião, a opinião mais simples é a que deriva dos próprios abduzidos; de que estão a ser sequestrados por extraterrestres. Não se podem ignorar as informações só porque não se enquadram na nossa visão do mundo e tentar construir teorias para se subsumirem (à força) os factos.



Posso estar errado, e não é com leviandade que afirmo a minha posição, mas creio que a origem do mesmo está numa inteligência não humana e exterior ao homem.



9. Objectivos das abduções:



Chegados ao final desta exposição, importa analisar um dos pontos mais importantes deste estudo. Clarificado já que o fenómeno é real, que não tem origem nos recônditos da mente humana, que não reside no mundo da fantasia, mas que tem sim uma dimensão real e física, importa finalmente esclarecer qual o propósito dos seres por detrás do fenómeno. Existem essencialmente três teorias, a positiva, a negativa e a neutra. Analisemo-las:



9.1. Teorias positivas



Esta teoria, que cronologicamente foi a segunda a aparecer, defende no seu essencial que os extraterrestres estão cá essencialmente para nos ajudar. Afirmam estes defensores, que se os extraterrestres estão cá para nos destruir, já há muito que o te-lo-iam feito. Pelo contrário, estão cá por nossa causa e pretendem-nos ajudar a atingir um novo estado de consciência. Pretendem-nos ajudar a evoluir, pretendem que os nossos padrões morais aumentam para que estejamos ao mesmo nível que eles. Pois, afirmam, só nessa altura estaremos preparados para os receber, como irmãos mais velhos que são. Na realidade, esta teoria aproxima-se muito da do contactismo.



Os investigadores afirmam que os abduzidos, se todavia é certo, têm experiências traumáticas e negativas, tudo faz parte de um processo de purificação, de transformação. Nas palavras de Luís Aparício “Nada nos é dado que nós não podemos suportar". Apresentam evidências de que os abduzidos vêm transformados do processo, muitos deles com capacidades artísticas incríveis, sentidos super-apurados e por vezes poderes sobrenaturais, tal como telepatia e clarividência.



Afirmam que os abduzidos sentem que os extraterrestres os amam e que muitas vezes deles tomam conta, chegando mesmo a curá-los de doenças perigosas. No final da abdução, frequente são as mensagens ecológicas e a transmissão de filmes catastróficos sobre o futuro da terra, a quem lhes é transmitida a mensagem de que temos de tomar conta do nosso meio-ambiente, do nosso futuro e deixar uma terra limpa para as futuras gerações. Como principais proponentes, os investigadores John Hunter Gray e Leo Sprinkle.



A este corpo principal vieram alguns investigadores adicionarem certas variantes, Josehp Nyman por exemplo, acrescentou no final dos anos 80, o conceito de vidas passadas. “Descobriu” que muitos dos abduzidos tinham sido noutra vida alienígenas e que a sua missão no planeta Terra é a ajudarem os seus irmãos no programa de hibridização. Mais recentemente, John Mack veio aderir também a esta teoria. Para ele a abdução é mista e não inteiramente positiva, mas que todavia propicia uma oportunidade para a transformação espiritual e de desenvolvimento da consciência.
Por último, consideram que estamos perante algo de glorioso, que está prestes a acontecer e que trará maravilhas à humanidade.

9.2. Teorias negativas



Na outra vertente do escopo, estão os defensores da teoria negativa. Consideram que os positivos foram enganados e que uma análise mais detalhada e aprofundada do fenómeno lhes iria revelar a verdadeira natureza, que longe de ser positiva é tenebrosa e medonha.



Afirmam que recusam ver a verdade, que se preferem ver como experimentados do que como abduzidos. Que se recusam a aceitar como ratos de laboratório, mas antes sujeitos activos e empenhados na criação do novo homem, dando importância menor aos procedimentos médicos e sobrevalorizando a componente informacional.



Neste espectro encontra-se o Prof. David Jacobs que salienta em primeira-mão os resultados físicos sobre os abduzidos. A verdade é que estes desenvolvem fobias, possuem cicatrizes, contusões, problemas físicos, especialmente ginecológicos e disfunções urológicas. Muitos vivem com medo da próxima abdução e sentem-se culpados por não poderem proteger os seus filhos. Têm também relações afectivas mais instáveis, devido provavelmente ao sentimento subconsciente de que o parceiro não consegue impedir as abduções, tal como observa Nick Pope. Todos estes efeitos secundários são crime de acordo com o já citado artigo nº 144, alínea C, do Código Penal Português.



Quanto ao argumento de que estão cá para salvar o meio ambiente, salienta-se o facto de que, eles nada fazem de concreto para ajudar o meio ambiente. Após 40 anos de abduções no mínimo e 100 no máximo (como sugerem alguns autores), a degradação do ambiente não melhorou, mas sim piorou. Em vez de abduzirem altos dirigentes humanos, quem têm faculdade de mudar politicas governamentais, abduzem simples pessoas sem meios para tal.



Salientam também os investigadores para os “abduzidos inconscientes”, que não sabem que são abduzidos, que mantêm uma vida normal sem especiais apetências. E mesmo dos conscientes a maioria não é activista político nem ambientalista. E especialmente nas primeiras abduções registadas, apenas a componente sexual primava. Esta aparente preocupação com o meio ambiente é recente. Jacobs defende ser parte dum estratagema para providenciar um complemento moral, uma justificação aceitável para os atropelos à dignidade humana que cometem. Finalmente, a quererem uma terra limpa será para eles, para quando ocorrer a “integração”.



Budd Hopkins que inicialmente era um positivo escreve recentemente: “Não vejo indícios de que os abduzidos como um grupo, estão ecologicamente mais preocupados do que a maioria da população”. Continua, “Se os cigarros são considerados um malefício ambiental, e as drogas social e em termos de saúde, então os abduzidos têm uma maior percentagem do que os “não” abduzidos, devido ao trauma das abduções”. Afirma então que os extraterrestres estão a piorar um problema mundial de saúde. Afirma ainda que descurou nas suas investigações uma componente muito importante, o aparente controlo total das testemunhas pelos abdutores, um comportamento que as torna dóceis e subservientes. Atitude que não se coaduna com as intenções proclamadas na teoria positiva.



9.3. Teoria neutra:



Esta teoria que cronologicamente foi defendida em primeiro lugar, afirma que as abduções fazem apenas parte de um projecto de estudo da raça humana. Aliás esta foi a informação fornecida pelos abdutores de Barney e Betty Hill. É também uma teoria lógica e que tem paralelos com as actividades dos nossos próprios cientistas. Os zoólogos principalmente, para melhor perceberem algumas espécies como os seus modos de vida, capturam alguns exemplares, põem-lhe instrumentos rádio e voltam a liberta-los. Apesar de por vezes a instalação desses instrumentos poderem ser dolorosas para os animais, elas são necessárias, mas não significam uma especial atitude negativa em relação aos animais. Eles são apenas objecto de estudo científico. Esta é também a posição do hipnólogo brasileiro Mário Rangel.



9.3.4. Expostas as teorias principais, importa tomar posição.



Esta é talvez a questão mais importante e a mais difícil de responder. Não creio que se possa desde já optar por uma das teorias, creio que existe ainda muito por investigar e muito por apurar. De facto muitas das afirmações e dos acontecimentos são contraditórios, as próprias impressões dos abduzidos não são homogéneas, existe ainda uma grande incerteza causada sem dúvida pela inteligência por detrás do fenómeno. Contudo e pelos motivos acima expostos, tendo a aceitar como mais provável a teoria negativa, apesar de com ela não concordar totalmente. Efectivamente se os planos dos extraterrestres são os de ajudar a humanidade a entrar num patamar mais evoluído de consciência, falhou redondamente. Não só os problemas ambientais se degradaram, como os problemas sociais tomaram proporções ainda maiores, a criminalidade aumenta sem parar e a própria violência infantil manifesta-se cada vez em idades mais tenras e com brutalidade nunca antes vista. A sociedade encontra-se mais consumista do que nunca e as pessoas apáticas, mesquinhas e egoístas. Qualquer sentido de civismo e de cooperação entre cidadãos, parece ter desaparecido. Se as abduções se realizam numa escala tão grande, com um número elevado de sujeitos, então os resultados são claramente negativos.



Por outro lado, é correcto terem havido curas milagrosas de certos abduzidos. Mas creio que uma explicação plausível será a de que, sendo o abduzido essencial, necessário foi curá-lo para que continuasse com o seu papel no programa. Se o desejo dos extraterrestres fosse tão filantropo, então provavelmente veríamos um maior numero de curas milagrosas e de pessoas não abduzidas. Dos inúmeros doentes que morrem todos os dias de doenças graves, porque não os ajudam a eles?!



Quanto à teoria neutra, tenderia a concordar com ela, não fosse um pormenor. É que os extraterrestres entram em contacto com os seres humanos, interrelacionam-se com eles, acompanham o seu crescimento, transmitem sentimentos de amor, ódio, medo, etc. Existe para o bem ou para o mal, uma empatia entre abdutor e abduzido, ora tal comportamento é inapropriado para um estudo científico. Estudo que se deseja o mais distante possível, pois como qualquer investigador sabe, a própria observação altera o objecto de estudo. Para além do mais, as abduções teriam todas elas de ter o mínimo impacto possível e contudo, 10% dos abduzidos tem memórias naturais da abdução, ou seja, lembram-se sem necessidade de recorrerem a hipnose. Tudo isto faz afastar a validade desta teoria.



Finalmente quanto à teoria negativa. Nick Pope, confirmando a crítica a esta teoria, a formulada por Jacques Vallee, afirma erroneamente, que nesta visão os extraterrestres apenas nos consideram como stock genético, stock que os levará a criar uma raça híbrida que controlará a Terra. Afirma que se tal fosse o caso, porque não assaltariam eles laboratórios genéticos, podendo num só golpe ficar abastecidos por uma vida inteira, sem necessidade de recorrem sistematicamente ás abduções? A questão é que a observação de Nick Pope e Jacques Vallee se encontra incompleta. É que parte principal do programa das abduções parece ser o interrelacionamento dos híbridos com as suas mães terrestres. Mães que lhes ensinam sentimentos que os cinzentos aparentemente já perderam. Ao colocarem crianças híbridas em contacto com crianças humanas, como divulgado extensivamente nas obras de David Jacobs e em sistemática relação com as mães, parecem tentar desenvolver nos híbridos algo de particular aos humanos; sentimentos individuais. É por isso que um assalto a um laboratório genético seria insuficiente. Até porque uma mulher não sentiria sentimentos maternais, perante um ser híbrido criado não a partir dela, nem dentro dela, mas antes de material genético anónimo. Por outro lado, a aceitar a posição dos que afirmam que as abduções começaram à 100 anos, ou mesmo que se aceite que começaram à 40, nessa altura não haviam laboratórios genéticos, o que os forçaria a procurar na fonte.



10. Função dos abduzidos:



Chegámos ao último ponto desta análise e que se resume afinal a tentar descortinar qual a função dos abduzidos. Isto é, tendo como ponto assente que existem abduzidos, que pessoas são sequestradas por outras entidades, para que servirão as mesmas?! Servirão apenas como progenitores ou mães de aluguer para os seres híbridos? Servirão apenas para demonstrar o afecto humano e a ensinar como com eles lidar?! Ou terão ainda uma outra função, não totalmente descortinada?! Muitos deles afirmam que têm uma missão, que lhes será revelada quando for a altura. O Prof. David Jacobs divide estas funções em duas categorias; a principal e as secundárias.



Função principal (no plano de integração): Os abduzidos servirão essencialmente para ajudar os outros humanos na transição da sociedade actual para a integração alienígena. Afirma que os mesmos acalmarão as pessoas em pânico, prestarão ajuda e indicarão os locais para onde se deverão dirigir. Tudo para que as pessoas facilitem o processo. Resta saber se tal função será algo que realizarão conscientes dos seus actos, ou por total e completa vontade exterior, como capacidade já demonstrada pelos abdutores. Noutras palavras, se serão apenas robots sem vontade.



10.1. Funções secundárias:



10.1.2. Apaziguadores: Muitos abduzidos encontram-se presentes na abdução de outra pessoa, pedindo-lhe para se acalmarem, dizendo que está tudo bem e que nada de mal lhes irá acontecer.



10.1.3. Ajudantes: Ajudando os abdutores a realizar as experiências. Jacobs cita incidentes de como masturbaram um abduzido para produzir esperma ou convenceram uma abduzida recalcitrante a dar de mamar a um híbrido.



11. REFLEXÃO GERAL:



Este fenómeno apresenta-se complexo e por vezes contraditório. Não creio que hajam respostas fáceis. Apresentei já no capitulo apropriado, as minhas reflexões sobre os objectivos das abduções, referindo as três teses principais, e qual a com que mais concordo. Aproveito então esta altura para afirmar que, salvo melhor opinião, será preferível adoptarmos, enquanto humanidade, uma posição inteligente. Isto é, esperar pelo melhor, estando preparados para o pior. Não creio correcto afirmarmos estar perante algo de glorioso, algo que nos vai beneficiar imenso, principalmente quando todos os dados são escassos e contraditórios. Não é inteligente aceitarmos de braços cruzados, aquilo que não conseguimos ver e/ou compreender, principalmente quando “aquilo” não se apresenta na maioria das vezes “bom”. Creio que não podemos cair no oposto, numa hostilização, pois novamente, não temos dados suficientes. Mas creio que algo se está a passar, e convém olharmos com alguma desconfiança, desconfiança essa, que nos poderá talvez, salvar.



Janeiro de 2004

Revisto em Setembro de 2005



*Licenciado em Direito, pela Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa

[1] O primeiro caso registado seria contudo o de António Villas-Boas, no Brasil, que a 22 de Outubro de 1957 foi levado para dentro de uma nave alienígena, onde foi obrigado a ter relações sexuais com um ser do sexo feminino, de aparência feia. Para um conhecimento mais aprofundado, recomendamos a leitura do artigo de Pablo Villarrubia Mauso. (espero que o autor me indique a revista).

[2] Nick Pope, The Uninvited, “An Exposé of the Alien Abduction Phenomenon”, Simon&Schuster, 1997, página 4.

[3] De extremo interesse a exposição dada no seu livro, a comparação com fadas, elfos, etc….

[4] Alguns investigadores consideram as abduções como o 4º grau da escala da Hynek. Contudo discordo desta opinião. Não só porque quando a escala foi criada não era conhecido o fenómeno das abduções, como o proprio criador da escala, manifestava o seu desprezo pela fenomenologia. O 4º grau aplica-se, na minha opinião somente quando um alienígena convida o ser humano a entrar no OVNI. Se for intencional e desejado, será classificado como “contacto”, se for contra a vontade, como “abdução”.

[5] [Link Removido]

[6] Webster's Revised Unabridged Dictionary, 1998

[7] Organizações existem contudo que repudiam a palavra, tal como a GIFI “Associação Portuguesa para a Investigação”, que no seu manifesto de 2001, publicado no seu site:, http://www.gifi.pt/portal/programs/ewpview.aspx?codigo=MANIFESTO, considera o termo abjecto.

[8] É também a tradução feita na edição portuguesa do livro de Whitley Striber, o Segredo Extraterrestre, Publicações Europa-América, 2001. Contudo traduz erroneamente a expressão abduzido por abdutado.

[9] Editorial Verbo, 1998.

[10] Como na tradução portuguesa, Sequestro: Encontros com Extraterrestres, Editora Planeta, 1997.

[11] Como na tradução brasileira, Intrusos: Um estudo sobre o rapto de pessoas por alienígenas, Distribuidora Record S.A, 1991.

[12] Este é também o termo preferencial utilizado pela GIFI.

[13] Todas as outras alíneas não se enquadram linearmente com o padrão de uma abdução e deverão portanto ser ignoradas.

[14] Especialmente no Brasil.

[15] Utilizamos esta expressão com alguma cautela, na medida em que os dicionários consultados lhe dão outros significados, como por exemplo, os músculos que afastam da linha média do corpo humano as partes sobre que exercem acção, ou, como tubo que conduz gás para o exterior do aparelho em que se produz (Editorial Verbo 1998). Utilizamos unicamente no sentido jurídico que o dicionário Universal, da Texto Editora 2003 lhe dá, como sinónimo de raptor.

[16] Anglicanismo da palavra “abductee”, pois ela não existem em nenhum dicionário de língua portuguesa que tenha consultado.

[17] Existe um concurso verdadeiro, efectivo ou puro de normas penais quando o mesmo agente pratica um conjunto de factos criminosos, diferenciados entre si.

[18] “Quem ofender o corpo ou a saúde de outra pessoa é punido com pena de prisão até 3 anos ou com pena de multa”

[19] “Quem ofender o corpo ou a saúde de outra pessoa de forma a: provocar-lhe doença particularmente dolorosa ou permanente, ou anomalia psíquica grave ou incurável; é punido com pena de prisão de 2 a 10 anos”

[20] Ob. cit. Página 37 “Normalmente, os sequestros começam nas casas ou quando os sequestrados se encontram em carros…”.

[21] “OVNIs, Efeitos Electromagnéticos e Apagões”, Agosto de 2003.

[Link Removido]

[22] Abduções de 4 dias já foram relatadas. Caso Travis Walton, 1975.

[23] Alguns investigadores menos ortodoxos sugerem a hipótese de que as leis da física não são contrariadas. Afirmam que não é o corpo físico que é abduzido, mas sim o “corpo-astral”. Julgo incorrecto explicar-se um mistério com outro mistério. E tendo em conta que os propósitos das abduções, envolvem invariavelmente exames físicos, a maioria deles de natureza ginecológica e frequentemente, a presença de cicatrizes como resultado dos mesmos são encontrados, não faz sentido defender-se uma concepção astral do corpo. Parece antes que a entidade por detrás do fenómeno, é capaz de fazer seres físicos atravessarem uma parede ou obstáculo sólido.

[24] Ob. Cit, página 109

[25] No interessante caso de Linda Napolitano, investigado exaustivamente por Budd Hopkins e exposto no seu livro “Witnessed”, o investigador refere o facto de durante a subida, quer o abduzido, quer os abdutores adoptarem a posição fetal.

[26] Descartando igualmente todo o cenário apresentado, na óbvia fraude, da filmagem da abdução em Lake County, 1998. Passado na TVI e traduzido na televisão portuguesa como: “Reféns na Escuridão”

[27] Ob. Cit. Pagina 38

[28]

[29] John Mack, Sequestro –Encontros com Extraterrestres, Edições Temas da Actualidade S.A, página 41.

[30] Eram contudo também frequente a descrição de seres com uma pele cor de azeitona, com traços asiáticos.

[31] Josep Guijarro, Infiltrados –Seres de otras dimensiones entre nosotros, Ediciones Sangrilá, página 127.

[32] Budd Hopkins, Witnessed –The True Story of the Brooklyn Bridge Abduction, Bloomsbury, 1996.

[33] Em resposta á pergunta de Lynn Picknett, no seu livro, The Mammoth Book of UFOs, Constable&Robinson, 2001.

[34] Fenómeno idêntico descoberto nas mutilações de gado.

[35] Ob. Cit., página 171

[36] Revista Alien Encounters, nº14, Julho de 1997, página 25

[37] Lynn Picknett, The Mammoth Book of UFOs, Constable&Robinson, 2001

[38] David M. Jacobs, A Ameaça, Editora Rosa dos Tempos, 2002, página 73.

[39] Whitley Striber, Ob. cit. página 162

[40] Budd Hopkins, Intrusos, Ob. cit pagina 80

[41] [Link Removido]

[42] Josep Guijarro, Ob. Cit, página 36

[43] [Link Removido]



[44] Como na experiência de Travis Walton, 1975

[45] No seu livro, Mack descreve o local das abduções como tendo uma atmosfera húmida, fria e, ocasionalmente cheirando mal. As paredes e tecto são curvos, normalmente brancos, embora o chão possa parecer escuro ou mesmo negro. Todavia a descrição de consolas de computador e outros equipamentos electrónicos, não se coadunam com a teoria do Trauma do Parto. (pag 40 e 41).
Bom Medo ExtremoO Fenómeno das Abduções - Parte 2 Novas10
Fonte: portugalparanormal.com
† Lobo †
† Lobo †
ADMINISTRADOR

Mensagens : 2236
Data de inscrição : 28/11/2011

Ver perfil do usuário https://www.sobrenaturalbrasil.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Voltar ao Topo


 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum